Os preços dos livros no Brasil podem ser usados como argumento para não ler?

Entra ano e sai ano, não é novidade pra ninguém que os índices de leitura no Brasil estão baixos, ou muito baixos. Apesar de os dados apontarem um aumento de 6% no índice de leitores entre os anos de 2011 e 2015 (fonte: Pró-Livro), o número ainda é bastante tímido em relação à média dos países desenvolvidos. O Brasil ocupa apenas o 27° lugar num ranking que mede o tempo de leitura semanal por pessoa. O ranking conta com 30 países. Mas o que pode estar por trás dessa tão alta rejeição dos livros por parte dos brasileiros? 

Entre as desculpas mais usadas pelos brasileiros está a de que os livros vendidos em território nacional são um pouco caros demais. Mas será que o preço dos livros é mesmo um argumento válido para não ler? A resposta é um sólido “não”. É um argumento totalmente refutável, uma vez que, atualmente existem inúmeras alternativas para começar a ler a qualquer momento e de forma gratuita.

Existem ‘N’ formas de ler uma infinidade de livros sem pagar absolutamente nada. As bibliotecas municipais, por exemplo. Estas disponibilizam livros para ler no local ou até para empréstimos, mediante o preenchimento de uma inscrição do interessado. O sistema de empréstimos é totalmente simplificado e ainda dá a possibilidade de o leitor renovar o prazo do empréstimo, caso queira. É importante sempre estar de olho no regulamento da biblioteca para não infringir, mesmo que sem querer, as regras.

Para os que têm acesso à Internet, as possibilidades são ainda mais abundantes. Sites como Domínio Público disponibilizam uma grande parte dos livros de alguns escritores famosos, em PDF e outros formatos digitais, para serem facilmente baixados e lidos em qualquer lugar. 

A Internet como grande aliada

Por último, existem redes sociais e aplicativos onde autores disponibilizam suas obras (ou parte) para leitura gratuita. No seguimento destacam-se o Skoob, Livreto e Wattpad. São locais onde leitores encontram autores e vice-versa. É uma forma válida e eficaz de divulgar o trabalho de escritores ainda desconhecidos, mas com talento de sobra a ser mostrado. Vale a pena conhecê-las.

Os meios alternativos citados estão cada vez mais populares entre os leitores do Brasil. São formas totalmente legais e que realmente funcionam para muita gente. Portanto, o argumento de que os livros são caros é desculpa para esconder o real motivo existente: o desinteresse.