Todo mundo amou, menos eu: A culpa é das estrelas, Jonh Green

A culpa é das estrelas é um best-seller e foi definido como “Brilhante” pela ENTERTAINMENT WEEKLY. Eu não sei vocês, mas só com essas informações eu espero que o livro seja maravilhoso. Depois de muitas pessoas me indicarem, acabei comprando e li no início desse ano (um pouco atrasada, talvez).

Bom, o livro é narrado pela protagonista, Hazel Grace. Ela tem 16 anos e tem câncer terminal nos pulmões. Hazel não sai de casa, sempre lê o mesmo livro, passa grande parte do seu tempo deitada na cama e pensando na morte. Sua mãe acha que ela está deprimida e a obriga a ir a um grupo de apoio. Nesse grupo ela conhece Augustus Waters (que todos chamam de Gus). Gus tem 17 anos e tem cancêr nos ossos, devido a isto perdeu uma perna, mas até então ele não sente mais nenhum desconforto por causa da doença. Logo que eles se conhecem tem a tal química e ficam muito próximos. Hazel apresenta seu livro favorito para Gus, chamado “Uma Aflição Imperial” do Peter Van House, e Gus também passa a amar o livro. A partir daí eles tentam fazer contato com o autor, porque o livro termina no meio de uma frase e eles querem saber realmente o final do livro. Depois de vários e-mails, Peter Van House os convida para ir a Amsterdã visita-lo.

A trama do livro gira em torno este enredo basicamente. Como a narração é feita por Hazel, a leitura não é difícil. Tanto ela como o Gus são adolescentes maduros, porém alguns diálogos são um pouco exagerados para dois adolescentes. A culpa é das estrelas tem muitas frases de efeitos, até quem não o leu conhece a frase:

“Alguns infinitos são maiores que outros.”

O enredo todo do livro é sem surpresas, mas as coisas previsíveis que acontecem no decorrer dos últimos capítulos me incomodaram bastante. Parece que o escritor vai lhe preparando para o final e você já sabe o que vai acontecer. Fica um pouco sem graça. 

Eu costumo gostar de histórias um pouco clichês, mas ‘a culpa é das estrelas’ não é um dos que eu indicaria para alguém. Apesar de ser uma leitura fácil, a história não me prendeu muito. O humor negro presente em alguns personagens é um pouco forçado. Achei o final um pouco vago, como se faltasse algo.
Não considero A Culpa é das Estrelas um livro brilhante. Não é um livro ruim, talvez para quem está começando a ler agora ou para o público adolescente, seja uma boa história. Fui cheia de expectativa e realmente o livro não foi tudo aquilo que eu esperava. Se fosse para avaliar, eu daria no máximo nota 5.

Se você tiver uma opinião diferente ou compartilha do mesmo sentimento, me conta nos comentários.

Leia também: Top 3 livros que me fizeram chorar

5 fatos que comprovam que os leitores são as melhores pessoas

Se os leitores são ou não as melhores pessoas, os fatos estão aí para comprovar. Não vê quem não quer enxergar. A lista de qualidades, peculiaridades e bons exemplos é extensa. Abaixo estão listados 4 fatos que dizem muito sobre o comportamento de um leitor.
Melhor conferir:

1 – Simpatia e senso de humor

Os leitores são extremamente sociáveis e bem-humorados. Veja essa moça tentando socializar com… ops, é uma estátua, moça!? Error 404 

2 – Pensando no crush literário 

Um alerta sobre pessoas que você encontrar aos suspiros no metrô, ônibus ou fila do dentista: essa pessoa, muito provavelmente, está pensando no crush literário. Talvez essa seja a quarta paixão dos livros só esse mês. Os leitores são ou não são apaixonan… digo, “apaixonáveis”?

3 – Fotos com coraçõezinhos fofos s2 

Tanta paixão por livros que às vezes não cabe em si e transborda em forma de coraçãozinho no caderno, paredes ou em fotos. A criatividade, como o amor, não tem limites. E por que teria?

4 – Parece NERD, é taxado de NERD, mas não é NERD

Usa óculos, está sempre lendo, conhece e usa vocabulário rebuscado, transmite um ar de inteligência. Prazer, leitor (salvo exceções). Se você ainda não foi taxado de NERD por gostar de livros, a probabilidade de que isso aconteça é bem real. Há os que, à primeira vista, imaginam quartos repletos de imagens geeks, posters sobre tecnologia, robótica e astronomia. Mas o leitor é um ser resiliente e usa o bom e velho sarcasmo para se esquivar de tais situações.

5 – Votamos “sim” por um mundo menos barulhento

Os leitores sabe bem a importância do silêncio nas horas certas. O barulho é inimigo da concentração e sem se concentrar, não há quem consiga absorver uma leitura. Sem contar que é irritante até para praticar outras atividades. Por isso os leitores, estejam onde estiverem, no alto de sua militância em prol de um mundo menos barulhento, jamais exitarão em encher os pulmões e soltar o seu mais profundo: ssssshhh!

Veja também: Livraria Cultura disponibiliza GRÁTIS mais de 10 mil livros